CDL Niterói se posiciona na segurança aos lojistas

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói esteve representada pelo diretor de planejamento Luiz Guilherme Guedes na reunião desta quinta-feira, 22, do Conselho Comunitário de Segurança (CCS), realizada na sede da entidade. Na ocasião, o diretor aproveitou a presença dos principais representantes dos órgãos de segurança pública para questionar sobre as ocorrências de roubos a estabelecimentos comerciais na cidade.


Em sua fala, Guedes buscou informações junto ao comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM), coronel Márcio Oliveira Rocha, e os delegados civis presentes sobre as medidas que estão sendo tomadas para coibir os crimes contra o comércio e como está o processo de investigação e identificação dos responsáveis pelos casos ocorridos no município. Ele ainda questionou sobre os índices de roubos a estabelecimentos comerciais e o que pode ser feito pelos lojistas para auxiliar na redução desses crimes.
“A CDL recebe muitas denúncias dos lojistas. Atualmente temos cobrado um posicionamento dos órgãos de segurança quanto ao problema dos roubos nas lojas, inclusive dentro de shoppings, e também dos roubos de cargas. Então é importante para nós termos conhecimento sobre como estão sendo conduzidas as investigações, se esse é um problema pontual ou se é ação de uma quadrilha, como está sendo organizado o policiamento ostensivo e se a polícia militar já mapeou as áreas de maior incidência”, falou Guedes.

Sobre o policiamento, o coronel Rocha destacou que a 2º Companhia, que é responsável pelo policiamento ostensivo nas áreas de maior incidência dos crimes de roubo a estabelecimentos comerciais, como Ingá e Icaraí, já iniciou uma nova rotina, com a reorganização do efetivo nessas áreas. Segundo ele, o planejamento inclui o reforço no patrulhamento da Rua Coronel Moreira César e seu entorno, locais com maior número de ocorrências.
Já a questão dos índices foi respondida pelo secretário executivo do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), coronel Paulo Henrique de Moraes, que também coordena as ações do projeto Niterói Mais Segura. De acordo com o secretário, esse tipo de crime cresceu no comparativo entre 2016 e 2017, passando de 63 para 90 casos. Ele ainda informou que outro marcador que teve aumento foi o de roubo de carga, que chegou a 380 registros no ano passado contra 347 em 2016.

Mas segundo o delegado Glaucio Paz, da 76ª DP, o principal problema de segurança nos comércios são os furtos.
“Os roubos não justificam as estatísticas no que diz respeito aos estabelecimentos comerciais. Em uma avaliação geral houve crescimento, mas Niterói ainda apresenta números muito mais baixos do que outras cidades. E a polícia civil realiza um trabalho constante de investigação para prender os responsáveis, nas ultimas semanas conseguimos desarticular uma quadrilha que atuava dessa forma, o que já deve causar certo impacto nas ocorrências”, explicou Paz.

Ainda segundo o delegado, no que diz respeito aos furtos o combate é mais complicado, já que não é possível ter uma viatura na porta de cada comércio da cidade. Sobre isso ele destaca que a melhor forma dos comerciantes colaborarem com as investigações é por meio da instalação de bons equipamentos de filmagem. Além disso, ele ressalta que com a ajuda da tecnologia também é possível acelerar a identificação desses crimes e orienta aos empresários que busquem a CDL para inscrição nos grupos de WhatsApp administrados pelo Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp), em conjunto com a entidade.