PALESTRA – Gamificação no RH

Saiba como foi a palestra!

 

Novas técnicas podem elevar a produtividade

Por: Carolina Ribeiro, carolina.ribeiro@ofluminense.com.br

Técnicas criativas e inovadoras de motivação e engajamento, com foco em recrutamento, foi o tema de uma palestra promovida pelo Instituto de Recursos Humanos do Leste Fluminense

(RH-LF) na manhã de ontem, na Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói. O objetivo era ensinar como tornar o trabalho mais prazeroso e atual dentro de um mercado competitivo.

Segundo a presidente da entidade, Edmara Uchôa, o tema inovador faz parte dos planos de programação menos massiva da instituição para este ano.

Para a profissional, trabalhar de maneira mais divertida pode fazer o dia render mais e a probabilidade do estresse atacar é menor.

“O mercado atual de recursos humanos está muito competitivo e às vezes nosso dia a dia é massificado, rotineiro, o que eleva o estresse e o cansaço mental.

A ideia da gamificação já existia, com jogos de tabuleiro e dinâmicas de grupo, por exemplo, mas a questão ganhou uma nova roupagem por conta dos games, videogames e o mundo virtual”, explica

a presidente, completando que o tema atual trouxe um público diferenciado ao evento gratuito.

O encarregado de apresentar o tema aos profissionais, gestores e estudantes de recursos humanos foi o palestrante Luiz Guilherme Guedes.

O especialista ressaltou que, com a técnica, é possível recrutar pessoas, treiná-las, comunicar e fazer campanhas, sem necessariamente fazer games, mas aplicar mecanismos e ferramentas que existem nos jogos.

Estima-se, de acordo com Guedes, que 80% das maiores empresas do mundo utilizam-se do conceito.

“Funcionam em qualquer área da empresa, desde recrutamento, treinamento, integração… As técnicas mais usadas são a utilização de pontuação – quanto mais serviço e de maior qualidade, mais pontos e melhores níveis –, competitividade saudável, em formato de ranking, e o conceito do entretenimento, com a contação de uma  história durante o processo, por meio de vídeo, animação, aplicativos e outros”,

comenta Luiz Guilherme Guedes, evidenciando que o objetivo é julgar o intelecto e o emocional do candidato, em uma escolha do indivíduo como um todo.